Naomi Riches, medalhista de ouro paralímpica

Jackson Wray, Saracens RFCAthlete Career Transition (ACT)

Naomi Riches é remadora de elite e foi a grande impulsionadora do desenvolvimento do remo paralímpico. Apesar de ter sido diganosticada com deficiência visual aos oito meses de idade, Naomi nunca deixou que isso fosse um empechilho e, juntamente com sua equipe, ganhou a medalha de ouro nos Jogos Paralímpicos de Londres em 2012.

Antes disso, ela havia ganhado o bronze nos Jogos Paralímpicos de Beijing em 2008. Durante toda a carreira, Naomi também ganhou seis títulos mundiais espetaculares.

Ela nos conta sobre como perfil psicológico a ajudou a superar um período difícil na carreira e alcançar seus objetivos.

O desafio

A carreira esportiva de Riches, como a de muitos atletas, não foi simples. Em 2010, ela sofreu um contratempo, perdendo o lugar no barco no campeonato mundial por menos de um segundo. A derrota foi um momento difícil para Riches, sabendo que teria que ganhar na próxima temporada para se qualificar para as Olimpíadas de Londres em 2012.

"Desistir simplesmente não era uma opção. Faltavam dois anos para os Jogos Paralímpicos de Londres. Competir no mais alto nível do esporte, em frente a um público de casa, é algo que poucos conseguem fazer. Ainda assim, é o sonho de todo atleta."

Riches sabia que a trajetória à frente seria difícil e exigiria cada milésimo de sua força mental.

-- Durante longo e solitário período de outono e inverno de 2010, eu mudei. Eu tinha que mudar. Eu treinava regularmente sozinha, em vez de com a equipe, porque eles estavam na Nova Zelândia para os campeonatos -- explica. 

Foi então que o conselheiro de performance que trabalhava para a equipe de remo paralímpico deu a ela a chance de preencher avaliações psicométricas.

-- Eu comecei a aprender muito sobre mim e parte dessa curva de aprendizado foi completar uma avaliação psicométrica. Respondi a uma série de questões meio estranhas e o que recebi, em retorno, foi um relatório me descrevendo de forma incrivelmente precisa, usando palavras que eu jamais teria pensado em usar. O relatório falava sobre como eu me comportava; em que ambiente eu trabalhava melhor; o que me motivava; meus receios e inseguranças; e em que ambientes eu tinha dificuldades. Não falava somente sobre mim, mas também me deu insights sobre como os outros reagiam quando eu me comportava de uma maneira determinada.

Os resultados

Na temporada de 2011, Naomi conseguiu voltar ao barco, participando da equipe que levaria o ouro nos Jogos Paralímpicos de 2012.

Ela atribiu parte do sucesso ao autoconhecimento que ganhou por meio da avaliação psicométrica.

Acredito que a avaliação psicométrica seja parte da fantástica fórmula que me levou à medalha de ouro em Londres.
 

"Olhando para trás, em 2010, acredito que me compreender e compreender os outros ao redor foi parte fundamental para me fazer retornar ao barco. Isso me fez perceber que, sem perder de vista quem eu era, ainda poderia mudar o comportamento em determinadas situações, para permitir que os outros conseguissem obter o melhor do que eu tinha a oferecer e vice-versa".

Hoje

Riches agora trabalha na Thomas Sport, como consultora treinada. Ela é capaz de usar a experiência como atleta paralímpica para ajudar clientes existentes e em potencial a ver como as avaliações da Thomas podem ser usadas no mundo deles, já que têm sido fundamentais no desenvolvimento de ferramentas de PPA específicas para o esporte. Essa ferramenta é voltada para auxiliar atletas a obter sucesso no âmbito do autoconhecimento e ajudá-los na transição para a carreira de negócios, quando se aposentarem do esporte.

A possibilidade de que eu poderia usar o que havia aprendido, durante uma década no esporte, para ajudar outros a atingir objetivos, por meio do entendimento de si mesmos e dos outros ao redor, realmente me atraía. Estou muito feliz por estar trabalhando com a Thomas.
 

Lydia Boucher

Lydia Boucher

Lydia joined the marketing team in 2013 after graduating with a degree in English Literature. She specialises in campaigns and internal communications and loves being able to fulfil her passion for writing in her day job. Outside of work, Lydia enjoys spending her summers at music festivals across Europe.