Motivação nos esportes

Construindo relacionamentos em equipesCoaching e orientação

Motivar uma equipe eficientemente é uma habilidade fundamental para quem trabalha na área de esportes. Alcançar a superioridade no esporte requer mais do que habilidade técnica. É preciso cultivar a atitude certa – uma mentalidade vencedora – e o primeiro passo é aumentar o autoconhecimento.

Nem todos são motivados (ou desestimulados) pela mesma combinação de fatores. Por isso, não se pode presumir que uma estratégia de engajamento sirva para todos os membros da equipe.

Embora cada atleta tenha sua própria estratégia de preparação, a equipe de apoio cumpre um papel fundamental, para identificar e administrar relacionamentos entre os diversos estilos diferentes existentes na equipe, e precisa trabalhar coletivamente para adaptar o modo de treinamento que se ajuste às necessidades de todos.

Conhecimento é poder

Além de disciplina, comprometimento e habilidade natural, a chave para a alta performance no esporte está relacionada à força mental. Ainda assim, falta a alguns o entendimento sobre como exatamente a mente pode afetar as chances de sucesso. Como nossos traços psicológicos exclusivos podem ser a diferença entre comparecer a uma corrida e ganhá-la?

Conhecimento é poder, sobretudo se precisa administrar baixa performance ou desânimo. Quanto mais souber e entender sobre a equipe, mais chances terá de aprimorá-la. E isso pode ser o diferencial entre uma performance com medalha de ouro ou de prata.
 

Ser capaz de identificar talentos e como nutri-los pode dar a alguém o diferencial competitivo. Identificar limitações comportamentais específicas, que podem impedir alguém de alcançar todo seu potencial, pode transformar a performance. Noções básicas sobre o estilo de comunicação preferencial de um atleta pode ajudar você a transmitir suas necessidades corretivas no estilo que cada um compreende e ao qual reage positivamente.

Dupla responsabilidade pela performance

Se você trabalha com atletas, para identificar as características pessoais deles e estabelecer como se comportam sob pressão, é preciso empoderá-los para que se virem sozinhos e se automotivem, pois eles realmente entendem o que pode ajudar ou atrapalhar.

Muitas pessoas têm a tendência a ditar o que está certo ou errado com o comportamento ou desempenho do outro, orientando-o a ponto de dizer o que devem fazer. Embora essa abordagem possa funcionar com alguns, certamente não satisfaz outros. Qual é a solução para isso? Responsabilidade dupla pela performance.

Transmitindo confiança

O sentimento de confiança que se cria quando os atletas recebem o controle sobre a própria performance é um dos impulsos mais poderosos para a motivação, tanto para os atletas quanto para as equipes.

Acreditamos piamente no poder da confiança. Se um atleta ou uma equipe sente que tem a confiança dos outros, é provável que irão se sentir empoderados para comprovar o sentimento. É um cálculo muito simples: quanto mais confiança houver na relação, maior o grau de motivação.
 

O processo de geração de confiança leva a um melhor entendimento. É aí que se faz essencial ir mais a fundo, já que é possível descobrir traços emocionais nos indivíduos que podem mostrar informações importantes sobre como os atletas respondem ao treinador, líder ou capitão.

Resumindo, o treinador que conseguir se conectar com a equipe, compreendendo o que a impulsiona e a motiva, possui todas as ferramentas que precisa para levar uma equipe boa a ser a melhor.