GIA

TEIQue SportsGIA Education

A Avaliação de Inteligência Geral (GIA) oferece uma previsão exata do tempo que um indivíduo levará para aderir a uma nova função ou rotina. Ao se medirem habilidades, é possível manter seu pessoal engajado no trabalho e na empresa, com desafios na medida certa para os talentos existentes. O GIA também irá possibilitar que se identifiquem líderes em potencial, bem como aqueles que conseguem reagir rapidamente diante das dificuldades e os que são mais adequados para a resolução metódica de problemas.

ResumoA ciência

Análise: aptitude e habilidade
Tipo: avaliação psicométrica normativa
Duração: 40 minutos

O GIA nos dá uma previsão do potencial de um indivíduo para assimilar novas funções ou responder bem ao treinamento. Ele ajudará a identificar os mais empreendedores e os futuros líderes, dando a você as ferramentas para compreender melhor como desenvolvê-los por meio de treinamento.

GIA_Samplejpg.jpg

Use o GIA para:

  • Medir a capacidade mental, inclusive adaptabilidade e habilidade de solucionar problemas
  • Entender como desenvolver pessoas por meio de treinamento
  • Identificar líderes em potencial, que tenham habilidades de impulsionar mudanças
  • Assegurar que indivíduos sejam estimulados suficientemente

Deseja ver isso na prática? Veja o depoimento da Opus Energy.

Autor: Dr. Peter Dann
Ano de criação: 1992

Histórico e teoria:

A General Intelligence Assessment (GIA) foi desenvolvida ao longo de 15 anos pelo Dr. Peter Dann, no Human Assessment Laboratory da University of Plymouth. A Thomas integrou o GIA ao pacote de produtos em 2006.

Descreveu-se que Inteligência possui componentes fluidos e consolidados (Horn e Cattell, 1966):

  • Inteligência fluida (velocidade de processamento pura) – procedimentos intelectuais básicos de lidar com conceitos abstratos, generalizações e relações lógicas (Carroll, 1993). A inteligência fluida é usada para resolver problemas inéditos, usar a lógica em novas situações e identificar padrões.
  • Inteligência consolidada (fatores aprendidos) – capacidade verbal, mecânica, numérica etc. A inteligência consolidada é a capacidade de usar o conhecimento e a experiência.

O GIA é uma avaliação de inteligência desenvolvida e teoricamente confirmada pela classificação de componentes cognitivos de "g" de Carroll, que é a inteligência geral (fator geral de desempenho mental de Spearman e outros). No entanto, o GIA está muito mais relacionado à inteligência fluida e ao uso do conhecimento procedimental do que ao do declarativo, ao medir habilidades cognitivas elementares (velocidade de percepção, raciocínio verbal etc.). Essa avaliação analisa o que denominamos "treinabilidade" e não o QI.

O GIA examina a velocidade de processamento de informações e a capacidade de aprender e desenvolver novas habilidades. A General Intelligence Assessment é usada com inúmeros objetivos: recrutamento, retenção, desenvolvimento, gestão, identificação de necessidades de treinamento, guia de carreira, planos de sucessão e benchmarking.

O GIA foi inicialmente desenvolvido como uma forma de avaliar habilidades cognitivas e treinabilidade nas Forças Armadas da Grã-Bretanha, mais conhecido como British Army Recruitment Battery (BARB). Conforme o GIA foi sendo aplicado, o Human Assessment Laboratory usou a tecnologia computadorizada para empreender a pesquisa e o desenvolvimento da "geração de ítens", por meio da qual os ítens da avaliação são automaticamente produzidos para criar um grande número de formatos diferentes, ainda que equivalentes, do mesmo teste (Irvine, Dann e Anderson, 1990). O GIA, juntamente com a versão em papel, foi desenvolvido com os mesmos princípios e recursos teóricos do BARB. A Thomas International integrou a versão em papel ao pacote de produtos em 1993 e o GIA em 2006.

Formato:

A Avaliação Geral de Inteligência consiste em cinco avaliações online de habilidades cognitivas simples (ex.: habilidade para se remeter a procedimentos, tais como, pensamento, linguagem, processo decisório, aprendizagem e memória).

Cada uma das cinco avaliações possui um tipo de tarefa e todas as questões de um determinado teste têm o mesmo nível de dificuldade. A pontuação do indivíduo é então determinada de acordo com a velocidade e a precisão das respostas que ele dá. As pontuações são, então, comparadas a uma amostra (um grupo normativo), para se definir se são mais baixas, mais altas ou na média da maioria da população.

Embora a pontuação geral avalie a treinabilidade, cada uma das cinco avaliações examina uma função cognitiva específica (detalhadas abaixo):

Velocidade de percepção: essa avaliação mede a percepção de imprecisões em materiais escritos, números e diagramas; a capacidade de ignorar informação irrelevante; a habilidade de reconhecer semelhanças e diferenças; e a verificação de erros. A avaliação mede a velocidade de codificação semântica e de comparação.

Lógica: mede a capacidade de fazer deduções; a habilidade de raciocinar a partir das informações fornecidas; e a capacidade de tirar conclusões corretas. Avalia a habilidade para guardar informações na memória de curto prazo e para solucionar problemas.

Cálculo e precisão: mede a manipulação numérica e a capacidade de raciocínio numérico básico. Avalia o grau com que um indivíduo consegue trabalhar com conceitos quantitativos com facilidade.

Visualização espacial: mede a capacidade de criar e manipular imagens mentais de objetos. Isso está relacionado a avaliações de raciocínio mecânico e analisa a capacidade de um indivíduo para usar habilidades de visualização mental para comparar formas; está relacionado à habilidade de se trabalhar em ambientes onde se exige visualização para compreender e executar tarefas.

Significado de palavras: mede conhecimento de palavras e vocabulário. Avalia a compreensão de um grande número de palavras, de diferentes partes de um discurso, assim como a capacidade de identificar palavras de significados similares ou opostos; avalia a habilidade para trabalhar em ambientes onde um entendimento claro de instruções escritadas ou faladas é necessário.

Credibilidade e validação:

O GIA foi objeto de avaliação científica rigorosa, que determinou sua credibilidade e validação como avaliação psicológica. Vários estudos demonstraram que o GIA é uma medição consistente e válida de treinabilidade. O GIA é registrado na British Psychological Society (BPS), tendo sido auditado com os critérios técnicos estipulados pelo European Standing Committee on Tests and Testing, parte da European Federation of Psychologists' Associations.

Deseja ver como funciona na prática? Veja o depoimento da Opus Energy.